Tipos de Poços


Toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero é, genericamente, chamada de poço. Há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade, pois a mesma determina, de uma forma geral, o método construtivo, além de ser um fator importante nas considerações sobre poluição da água subterrânea.

Alerta: Para que um poço seja chamado de artesiano, é necessário que seja perfurado em aqüífero artesiano. Está errado chamar qualquer poço profundo de artesiano.

1 - POÇOS RASOS:

1A- POÇO ESCAVADO

É a mais antiga forma de exploração da água subterrânea, estando presente em civilizações muito antigas. São poços cilíndricos, abertos manualmente, com o uso de picareta e pá. Às vezes são usados fogachos (pólvora) para romper blocos de rocha mais resistentes. Entretanto, este expediente é desaconselhável em virtude do perigo que acarreta, sendo proibido por lei a pessoas não autorizadas a lidar com explosivos. Poço escavado é o tipo mais utilizado pela população rural brasileira e, recebe nomes distintos, dependendo da região: cisterna, cacimba, cacimbão, poço amazonas, poço caipira, ou simplesmente poço. Só podem ser escavados em material não muito resistentes, geralmente solo e depósitos sedimentares pouco consolidadas. Certos arenitos friáveis podem ser escavados manualmente.

Para que o operário possa trabalhar no fundo do poço, seu diâmetro deve ser grande, indo de 1 a 2 metros, em média 1,50 metros. À medida que o buraco se aprofunda são necessários pelo menos dois operários. Um fica no fundo do poço escavando enquanto o outro fica na superfície, retirando o material através de balde preso à ponta de uma corda que vai sendo enrolada num sarilho. O sarilho nada mais é do que um eixo que gira sobre duas forquilhas, acionado por uma manivela. Após atingir o nível d'água, a escavação continua, até que não se consiga mais esvaziar a água que está afluindo ao poço.

Os poceiros profissionais possuem algumas ferramentas que aumentam a segurança do trabalho, como o sarilho mecânico, com trava que não permite seu retorno acidental.

É um trabalho muito perigoso e só deve ser feito por pessoa treinada. Os cuidados a serem tomados no processo são:

  • a) evitar o uso de bebida alcoólica e as jornadas longas, pois elas diminuem o grau de atenção necessário;

  • b) Sempre trabalhar em dupla, estando o operário da superfície responsável pelo que está no fundo;
  • c)estar sempre atento para possíveis emanações gasosas no fundo do poço, algumas podendo ser explosivas ou tóxicas;
  • d) sempre dar preferência pelo revestimento das paredes à medida que o poço se aprofunda, pois qualquer desmoronamento soterrará quem estiver embaixo. Um método utilizado é o uso de anéis de concreto armado,com 60 centímetros de altura, que vão descendo à medida que a terra que o sustenta vai sendo cavada. O primeiro anel tem a borda inferior chanfrada para facilitar seu deslocamento e, assim como o segundo anel, possui furos para a entrada lateral de água. Tijolos também poderão ser usados para revestir a parede da escavação.
  • e) trabalhar com capacete de seguraça e sempre manter dentro do poço uma tábua que possa ser colocada como cobertura de proteção ao operário que estiver no fundo, pois qualquer acidente no levantamento do balde cheio de terra pode ser fatal;
  • f) muita atenção deve ter o operário que estiver acionando a manivela do sarilho, pois se a mesma escapar de sua mão quando estiver sendo içado, ela girará ao contrário com grande força, atingindo o operador nas partes superiores do corpo, normalmente na face.

Após a construção o poço deve ser bem fechado, erguendo-se uma proteção de tijolo acima do nível do terreno e cimentando o solo ao redor do mesmo. Isto evita a entrada de água contaminada da superfície e a queda de objetos e animais em geral.

1B- PONTEIRAS CRAVADAS

Ponteira é uma haste perfurada, revestida por tela, com terminação cônica e que é cravada no terreno, através da qual pode-se retirar água com bomba de sucção. Muito popular, só funciona em aqüíferos muito rasos. Muito usadas em obras de engenharia civil para o rebaixamento do lençol freático.

É necessário que os segmentos de tubos que foram conectados na ponteira, sejam bem vedados para não entrar ar, o que impediria a água de subir. Em geral estes poços possuem de 4 a 5cm de diâmetro.

Estas ponteiras são muito versáteis, e são uma boa opção para um poço de baixo custo. Caso a necessidade de água aumente pode-se cravar mais ponteiras, mantendo uma distância segura para evitar as interferências dos cones de depressão.

A principais limitações são:

  • Como a água é extraída por sucção, isto é, extração passiva, a profundidade máxima de extração alcançada é dada pela pressão atmosférica. No nível do mar esta profundidade é de cerca de 6 (seis) metros, diminuindo com a altitude.

  • É indicada para terrenos arenosos homogêneos. Qualquer seixo ou bloco de pedra um pouco maior encontrado, quando se estiver cravando, impedirá que a ponteira desça. Da mesma forma solos argilosos oferecem muita resistência à penetração. Para facilitar a penetração pode-se injetar água no tubo na medida que o mesmo vai sendo cravado.

Obs: O funcionamento destas ponteiras pode ser comparado a um canudinho destes que se usa para tomar água de coco.

1C- POÇO A TRADO

Trado é uma ferramenta composta de uma caçamba cilíndrica, com aberturas laterais cortantes, rosqueada a uma haste de ferro terminada em T e que penetra no solo através de movimentos giratórios, realizados por um operário (trado manual) ou por um motor (trado mecânico). Há no mercado trados com diâmetro variando de 5 a 24 centímetros.

Quanto maior for o diâmetro do trado, mais pesado ficará o serviço.

O poço é perfurado lentamente, pois após algumas voltas o operador tem que levantar a ferramenta para retirar o solo preso na caçamba. À medida que a profundidade aumenta são acrescentados novos segmentos de cano galvanizado na haste, que se tornará, portanto mais pesada. Ao atingir o nível freático é necessário descer um ou mais tubos que protejam a parede do poço, evitando seu desmoronamento. Para continuar a perfuração na zona saturada é necessário diminuir o diâmetro da caçamba para poder perfurar por dentro do tubo de revestimento. Quando o poço começa a produzir muita água, o avanço se torna muito difícil pois há a formação de lama no fundo, tornando-se quase impossível a retirada do material. Após ter atingido a máxima profundidade possível da zona saturada, coloca-se um tubo de fundo cego e furos na lateral, que servirá como filtro e elemento de contenção das paredes da escavação.

1D- POÇO RADIAL

São poços escavados, de diâmetro maior do que o normal (3 a 4 metros) nos quais foram cravadas ponteiras ou aberto drenos horizontais em sua parte inferior, num arranjo radial. Isto permite aumentar grandemente a área de captação de água, elevando a produtividade do poço bem mais do que se fosse meramente escavado. Uma das vantagens deste método é que permite que se faça o desenvolvimento do poço, isto é, usar processos que aumentam a permeabilidade do aqüífero ao redor das ponteiras ou drenos.

Uma forma rudimentar de desenvolver um poço é provocar uma grande agitação da água de forma a extrair o sedimento fino que fica entre os grão maiores. Isto pode ser conseguido com o uso de uma ferramenta (pistão) que ao ser enfiada e retirada repetidamente, num movimento de vai e vem, provoca grande agitação da água e a retirada das partículas finas. Para facilitar a desagregação dos grumos de partículas finas podem ser utilizadas substâncias químicas especiais, não tóxicas. Para que um poço possa ser desenvolvido é necessário que o diâmetro dos orifícios filtrantes da ponteira ou do dreno sejam adequados à granulometria do material perfurado, e permita que somente as partículas mais finas passem, caso contrário ele estará sempre produzindo areia junto com a água.

1E- GALERIAS

Apesar de não serem exatamente poços, vou colocar aqui as galerias por serem importantes em certas regiões montanhosas. Estas galerias são túneis cavados horizontalmente nas encostas até se encontrar o substrato rochoso, por onde, circula a água de infiltração. Uma vez encontrada uma região onde esteja havendo suficiente infiltração, cava-se uma pequena bacia de captação a partir da qual a água é levada para fora, através de tubos e por gravidade. Como a saída de água passa a ser constante, é necessário a construção de reservatório para armazená-la.

Uma das grande vantagens destas galerias é que fornecem água por gravidade, o que implica numa grande economia de energia. Na verdade são verdadeiras nascentes artificiais.

Na cidades serranas do Estado do Rio de Janeiro são muito utilizadas. Em Petrópolis pude visitar uma galeria com cerca de 40 metros de comprimento, que havia sido acabada de ser escavada, sem nenhum revestimento e que fornecia 200 litros de boa água por hora, durante o período de estiagem.

A largura e altura destas galerias são o suficiente para que um homem possa ali se movimentar carregando um carrinho de mão, com o qual é retirado o solo escavado. Seu teto é abobadado. Após a construção e colocação de um tubo resistente como dreno, qualquer desmoronamento do teto não prejudicará a continuidade da saída da água.

É um serviço extremamente perigoso e só deve ser feito por pessoas muito treinadas e conhecedoras da técnica.

2 - POÇOS PROFUNDOS

São poços perfurados com máquinas, com profundidades que variam de 40 a 1000 metros. Em alguns casos profundidades maiores são atingidas quando se procura a produção de água aquecida pelo geotermalismo.

A perfuração de um poço demanda conhecimento técnico especializado. Em linhas gerais podemos dizer que um poço profundo ideal é constituído das seguintes partes:

  • a) O furo propriamente dito, que pode variar de 10 a 30 centímetros de diâmetro.

  • b) Um tubo de revestimento, cuja finalidade é conter as paredes do poço. Em formações pouco resistentes, perfuradas com ferramenta de percussão, este tubo de revestimento vai sendo colocado na medida que o poço vai se aprofundando. Nos poços perfurados por ferramentas rotativas, a lama impede a queda das paredes e o revestimento é colocado só no final.
  • c) Uma seção final (filtro) do tubo de revestimento perfurada ou ranhurada, por onde a água passa do aqüífero para o tubo. Em alguns casos pode haver também seções intermediárias filtrantes, colocadas para aproveitar entradas superiores de água, que podem ser do mesmo aqüífero ou de camadas superiores.
  • d) Uma camada de material arenoso (granular) que preenche o espaço anular entre o poço e seu revestimento ou filtro. Este material é chamado de pré-filtro e tem como finalidade permitir o aumento da área de abertura das fendas do filtro, ao mesmo tempo que retém as partículas do aqüífero, principalmente quando estas são muito finas.

Métodos de perfuração mais usados:

  • A) Percussão: a rocha é perfurada através da batida constante de uma ferramenta chamada trépano, presa a um cabo de aço, que é movimentado para cima e para baixo, através de um balancim acionado por motor.As pancadas do trépano esmigalha a rocha e os fragmentos resultantes, misturados com água do próprio poço ou colocada se este ainda estiver seco, dá origem a uma lama. Estes são retirados do poço através de uma ferramenta chamada caçamba. Esta lama que se forma além de facilitar a retirada do material triturado, serve como meio de refrigeração do trépano. A perfuração por percussão é indicada para formações bem consolidadas ou rochas duras, e profundidades não superiores a 250 metros. Em formações pouco consolidadas as paredes podem entrar em colapso, o que obriga o uso de revestimento à medida que o poço se aprofunda, o que cria dificuldades adicionais para a continuidade do trabalho.

  • B) Rotativa: a perfuração se dá através do movimento rotatório de uma broca, ao mesmo tempo que se faz circular lama no poço. Esta lama além de servir para trazer o material triturado para cima, serve para refrigerar a ferramenta de corte e para manter uma pressão contínua dentro do poço, de forma a conter suas paredes, evitando assim seu colapso. A lama poderá ser injetada pelo furo central da haste de perfuração, subindo pelo espaço anelar, ou vice versa. Este método é indicado para formações moles e grandes profundidades. O revestimento do poço é feito no final, antes de bombear toda a lama.

OBS: A escolha da ferramenta certa é uma etapa importante no processo pois a escolha errada implica em maior tempo de perfuração, desgaste excessivo da ferramenta e dos equipamentos em geral, maior gasto com mão de obra, e perigos potenciais de perda do trabalho devido ao colapso das paredes ou da retenção da ferramenta no fundo do poço.


Categorias: Tipos de Poços